Imagens da NASA sobre a origem das estrelas apontam para Gênesis, diz cientista

  • 24/01/2023

Imagens da NASA sobre a origem das estrelas apontam para Gênesis, diz cientista

As descobertas feitas pelo telescópio espacial James Webb têm possibilitado comparações científicas com revelações das Escrituras sobre a Criação. O maior telescópio óptico no espaço foi lançado há 13 meses e começou a enviar imagens de volta à Terra em julho.

Recentemente, o equipamento voltou suas lentes para NGC 346, um aglomerado de estrelas localizado na Pequena Nuvem de Magalhães (SMC), a mais de 200.000 anos-luz da Terra.

Embora visível a olho nu, a SMC é estimada em 3-5 bilhões de anos e é considerado uma galáxia anã “primitiva” que se assemelha às condições do universo primitivo com concentrações relativamente baixas de elementos mais pesados ​​que o hidrogênio e o hélio.

Os cientistas acreditam que este é o tipo de galáxia que é o bloco de construção para galáxias maiores e é mais fácil de estudar.

Informações dizem que a NGC 346 contém cerca de 2.500 estrelas infantis e os pesquisadores esperam que sua observação possa ajudá-los a entender como as primeiras estrelas se formaram durante o “meio-dia cósmico”, apenas 2 ou 3 bilhões de anos após o big bang, quando a formação estelar estava no auge.

“Uma galáxia durante o meio-dia cósmico não teria um NGC 346 como a Pequena Nuvem de Magalhães; teria milhares” de regiões de formação de estrelas como esta, disse Margaret Meixner, astrônoma da Associação Universitária de Pesquisa Espacial e investigadora principal da equipe de pesquisa. “Mas mesmo que o NGC 346 seja agora o único aglomerado massivo formando estrelas furiosamente em sua galáxia, ele nos oferece uma grande oportunidade de sondar as condições que existiam no meio-dia cósmico.”

Estrelas em formação

Os cientistas foram capazes de observar pela primeira vez estrelas infantis em processo de formação a partir de nuvens de gás em colapso gravitacional. Para observar NGC 346, eles usaram a câmera de infravermelho próximo do telescópio Webb.

As estrelas infantis ainda não haviam acendido seu combustível de hidrogênio para sustentar a fusão nuclear.

“Estamos vendo os blocos de construção, não apenas de estrelas, mas também potencialmente de planetas”, disse Guido De Marchi, da Agência Espacial Europeia, coinvestigador da equipe de pesquisa.

“E como a Pequena Nuvem de Magalhães tem um ambiente semelhante ao das galáxias durante o meio-dia cósmico, é possível que planetas rochosos possam ter se formado mais cedo no universo do que pensávamos”, disse.

“Pela primeira vez”, destacou a Dra. Olivia Jones do Centro de Tecnologia de Astronomia do Reino Unido (UK ATC) em Edimburgo, “podemos ver a sequência completa da formação de estrelas em outra galáxia”.

“Anteriormente, com o Spitzer, que era um dos grandes observatórios da agência espacial americana NASA, podíamos detectar as protoestrelas mais massivas, cerca de cinco a oito vezes a massa do nosso Sol”, disse.

“Mas com o Webb, temos os limites de sensibilidade para ir até 1/10 da massa do Sol. Assim, temos sensibilidade para detectar as estrelas de baixíssima massa em processo de formação, mas com resolução também para ver como elas afetam o ambiente. E como você pode ver na imagem, é um ambiente muito dinâmico.”

Ciência e Bíblia

Os entusiastas da Bíblia podem ser tentados a dizer à NASA que a chave para a criação de estrelas e planetas pode ser encontrada em uma leitura atenta do primeiro capítulo da Bíblia.

Com mais de trinta anos de experiência em pesquisa e ensino, Dr. Gerald Schroeder é um cientista e palestrante na Aish Hatorah Yeshiva em Jerusalém. Ele obteve seu bacharelado, mestrado e doutorado, todos no Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

O Dr. Schroeder reagiu à nova descoberta dizendo que era “totalmente consistente com a história da Criação”.

“Perguntaram-me como Deus criou a luz no primeiro dia, mas as estrelas e os corpos celestes não foram criados até o quarto dia”, disse o Dr. Schroeder ao Israel365 News.

“Isso é consistente com o que os físicos estão aprendendo agora; que o universo era opaco no início e depois começou a irradiar. As estrelas ainda não haviam se formado, mas havia energia”, explicou.

Dr. Schroeder também explicou isso em termos bíblicos:

“O Gênesis descreve que no primeiro dia da criação, houve radiação de energia que é essencialmente luz”, disse o Dr. Schroeder. "A Torá diz que havia ou, luz simples, ou o que os físicos chamam de radiação de energia."

"No quarto dia, Gênesis descreve m'orot, os corpos celestes que emitem luz", disse o Dr. Schroeder. “Ao observar a criação das estrelas, os astrofísicos estão estudando a transição do primeiro dia da criação para o quarto dia da criação, ou o que os físicos chamam de meio-dia cósmico.”

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/noticias/imagens-da-nasa-sobre-origem-das-estrelas-apontam-para-genesis-diz-cientista.html

Aplicativos


Locutor no Ar

JULIANO MORAIS

TARDE DA VITÓRIA

15:00 - 17:19

Peça Sua Música

Nome:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

top1
1. Anderson Freire

Raridade

top2
2. Bruna Karla

Advogado Fiel

top3
3. Aline Barros

Casa do pai

top4
4. Anderson Freire

Acalma o meu coração

top5
5. Aline Barros

Ressuscita-me

Anunciantes